Blog

Voltar

Datas especiais e o luto...

Apoio à  Família - 16/02/2017

Ao se aproximar datas comemorativas como, aniversário, natal, ano novo, dia das mães, dia dos pais, dentre outras, o enlutado tende a se sentir mais triste, evidenciando-se assim o vazio deixado pela pessoa amada.

A ocorrência destas datas durante o primeiro ano após a perda são extremamente significativas, ou seja, como comemorar uma data importante sem a presença de uma pessoa tão amada que se foi? Este é um questionamento natural das pessoas que vivenciam um processo de luto. Pensar em comemoração em meio à dor e sofrimento é tido como difícil.

Optar por não comemorar, desconhecer ou ignorar uma data pode ser mais difícil do que celebrá-la. Esta atitude é tida como mais uma perda, ou seja, uma comemoração que reunia a família e que era importante passa a não existir, fator este que gera dor e sofrimento. Entretanto, comemorar não significa ignorar a ausência de um ente querido, ou seja, festejar como se nada tivesse acontecido. Não se trata de negar a dor, e sim entender que a vida pode ser comemorada com as pessoas que ainda permanecem presentes.

A união neste momento é a melhor opção, estar próximo a pessoas amadas gera um sentimento de acolhimento e carinho que muito ajuda na elaboração da perda.

A pessoa que se foi deve ser lembrada nestas datas comemorativas de forma carinhosa. É importante procurar entender o verdadeiro significado de determinada data e vivenciá-la. Neste momento é natural algumas pessoas se incomodarem com músicas ou manifestações de alegrias, mas é importante que a família se mantenha unida e celebre de alguma forma mesmo com dor e tristeza.

Lembrar e falar da pessoa que se foi é esperado, porém não deve ser este o objetivo da comemoração. Reunir a família e amigos é saudável para elaboração do luto, a pessoa não se deve punir ou recriminar-se por se sentir feliz em estar com outras pessoas. Afinal, sentir prazer na presença de quem se ama é parte essencial na vida, mesmo depois da perda.

Nágela G. Caíres Sousa

Psicóloga graduada pela UEMG – Faculdade Estadual de Minas Gerais


Comentar